segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Quando os sonhos se tornam realidade

Há sonhos que, por mais que sonhamos, nem sempre acreditamos que possam ser realizados. Talvez porque os julgamos grandiosos demais, ou porque simplesmente substimamo-nos. Resultado: Continuamos na eterna frase "Ah, se eu pudesse...", "Se eu fizesse tal coisa", "Se isso", "Se aquilo", e nos afogamos em tantos "ses" que limitam as nossas ações e enterram parte de nós. Tudo isso pelo simples medo de ousar.

Quando terminei a graduação em Letras, em 2004, não fiz a seleção de Mestrado como muitos da minha turma. Por várias razões: 1º porque eu estava e-x-a-u-s-t-a. Pra quem acha que Letras é um curso fácil, ah... eu sugiro que o faça. Você pode até não exercer a profissão, mas você terá lido dezenas de livros e escrito muiiiiiiito!!!; 2º porque eu queria me casar no ano seguinte (o dito cujo estava só esperando eu me formar); e 3º porque eu tinha medo de não passar. Aliás eu tinha convicção de que não poderia passar. Por que? Porque eu achava que mestrado era pra gente muito inteligente, característica que eu nunca me atribuí. Lembro-me bem que muitos da minha turma que fizeram a prova passaram: Carlos, Inimar, Flávia, Paula, Rejane Ferreira.

O ano de 2005 foi então reservado para os eventos de formatura (ah... que saudade!!!) e para o tal casamento, em março e julho, respectivamente. A verdade é que o cansaço sumiu rapidinho. Em setembro do mesmo ano lá estava eu iniciando a minha especialização em Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa na UEG, que duraria 2 anos. Não me arrependo. Foi um curso tranquilo. Encontros quinzenais me possibilitaram dedicar bastante para o curso.

Eu sempre fui muito curiosa. Não queiram cochichar algo perto de mim que eu quero logo saber do que se trata e não dou trégua enquanto eu não estiver ciente do assunto, hehehe... Vez ou outra, eu conversava com as minhas colegas que já estavam fazendo mestrado e eu ficava curiosa pra saber como era. Eu queria também. Eu sabia que profissionalmente o mestrado significaria uma boa oportunidade pra mim. A verdade é que além de curiosa eu sou atrevida. Resultado: final de 2006 lá estava eu fazendo a seleção de mestrado, mesmo sem terminar a especialização. Não nego que achei dificílima. Foram três etapas durante três meses, uma eternidade. Durante todo o processo, eu mantive uma estreita relação com Deus e o pedia pra fazer o que fosse melhor pra mim. Em meados de dezembro desse ano a lista de aprovados era divulgada e o meu nome estava lá, e aprovada em 7º lugar! Mais uma prova do cuidado de Deus comigo. O número sete representa a perfeição do Criador. Sim. O mestrado fora presente de Deus na minha vida.

O curso não foi fácil, obviamente. A situação agravou-se um pouco mais porque justamente no meio do curso eu me separei do "sacana" do marido (desculpe, mais aproveito a oportunidade pra desabafar também) e, é claro, alguns problemas emocionais foram desencadeados. Acabei precisando de tempo extra pra terminar o mestrado (quase todos os alunos solicitam esse tempo porque o curso é realmente muito difícil). Eu tive momentos de desistir. Sabia do que tinha que ser feito mas simplesmente não conseguia fazer. E o tic-tac do relógio me torturava mostrando-me que meu tempo estava se esgotando. Graças a Deus, eu tive pessoas que me ajudaram muito. Meus pais deram-me muito apoio emocional, meu amigo Rogério me ajudou na transcrição dos dados (essa é a pior parte! affff...), a Paula me deu algumas orientações no início da redação do texto, sem contar no quanto outros amigos e amigas me ajudaram conversando comigo, me ouvindo, me aconselhando.

Eu mal podia acreditar que em 18 de setembro de 2009 eu estaria ali, à frente do auditório da Faculdade de Letras, para a minha defesa de mestrado. A fotinha que se segue é do dia. (Em sequência: meu orientador Prof. Dr. Francisco, eu, e as professoras da Banca: Dra. Maria Cristina e Dra. Barbra [escrito assim mesmo]).
Pra quem pensa que acabou por aí, se engana. Depois da defesa, há ajustes para serem feitos na dissertação e toda uma sequência de procedimentos até chegar ao ponto de dar entrada no Diploma. No meu caso, decorreram quatro meses.

Hoje pude contemplar a obra do Senhor Deus na minha vida quando finalmente pude ter em mãos a minha dissertação encadernada. Meus olhos se encheram de lágrimas quando a toquei. Um filme passou rapidamente na minha cabeça, permitindo-me lembrar de toda a luta que travei comigo mesma para concluir o curso, porque chegou um momento em que eu nem sequer podia me dar o luxo de sofrer por causa da minha vida emocional conturbadíssima porque eu tinha um mestrado pra terminar.

Conforme sabemos, a obra de Deus é completa em nossas vidas. Sei que esse mestrado representa a oportunidade de alcançar outros caminhos, outras vitórias. Por isso, eu espero mais.

Tudo o que vivi desde o início do mestrado até agora me ensinou muito. Primeiro porque eu superei o sentimento de inferioridade intelectual que eu sempre tinha. Hoje percebo que, desde que eu me esforce, eu posso realizar qualquer coisa que eu desejar. Segundo porque entendi que quando transformamos os sonhos em metas eles deixam de simplesmente serem sonhos utópicos e alcançam o plano da realidade, e isso vale para quaisquer áreas de nossas vidas. Terceiro porque compreendi que não posso simplesmente colocar a responsabilidade de ser feliz em outra pessoa. Se eu quero ser feliz, depende exclusivamente de mim fazê-lo.

A foto que se segue é da minha dissertação. Fofa né! Não canso de folheá-la, tocá-la e ler o meu nome nela.


Ahh... esqueci de falar, hehehe... o título da minha dissertação é "Você já blogou hoje? Um estudo de caso sobre o uso de blogs nas aulas de língua inglesa".

9 comentários:

  1. Oi Rejane, que relato emocionante... menina e eu sempre te achei 'a nerd' da sala, não entendi porquê você não fez a seleção com a gente, mas como vc mesma disse, tudo é parte do plano de Deus para nossas vidas. E caramba, conciliar um processo de divórcio com um mestrado não é pra qualquer um, menina, vc está de parabéns! Sua dissertação já está online? Eu queria dar uma olhada, beijos!

    ResponderExcluir
  2. Flávia, eu já entreguei os cds com a dissertação. Acredito que na próxima semana ela já estará online.

    ResponderExcluir
  3. Ryjaynyyh,
    que tudo de bom hein :)
    Voce fez por merecer tudo que voce conquistou
    Parabens mais uma vez.
    ;*

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Bom amiga Rejane, eu depois de ler e reler seu texto tomei iniciativa de tecer um simples comentário a respeito. Não acompanhei sua trajetória de mestrado toda. Até mesmo porque seu ex-marido não permitiria na época. Quando a conheci de verdade e não apenas de ver ou ouvir falar, voce já estava mesmo nos finalmente do mestrado. Só que veio a mim uma enorme surpresa. O convite de fazer as transcriçoes das gravaçoes (que por sinal estavam horriveis devido aquele ar condicionado barulhento...risos). No verdade eu não me sentia nada seguro para assumir uma responsabilidade tão grande, mas voce foi unicamente maravilhosa ao me fazer enxergar que eu podia dar uma força a voce. Foram noites que passei sem dormir e confesso que numa delas chorei porque achei que não daria mesmo conta daquilo. Persisti. E quando me lembro do dia de sua defesa fico muito contente amiga Rê porque voce foi e é guerreira demais. Só tenho mesmo que parabenizá-la por ser esse ser encantador que és. E agradecer, também, por ter me escolhido como amigo do peito. Hoje reconheço o quando Deus foi bom me dando vc de presente para que me orientasse nao apenas na faculdade, mas em outras diversas áreas de minha vida.
    Seu texto sobre sonhos é a pura realidade de alguem que planejou e alcansou o que queria. Tenho consciencia que muito mais ainda está por vir. Deus não se cansará de derramar sobre você bençãos sem medidas porque sua fidelidade muito o alegra.
    Deixo aqui os meus mais sinceros PARABÉNS AMIGA.

    Um forte abraço. Amo seu blog.

    ResponderExcluir
  6. Rejane, não encontro as palavras certas para descrever seu blog e suas postagens. Suas histórias são sempre incríveis. Admiro este seu jeito de compartilhar um pouco de sua história com os leitores, sem contar com os detalhes que você escreve; fazem a diferença.

    Ah, que tal publicar um livro?

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Teacher,que ótima história de superação!precisamos de exemplos assim,pra continuar a nossa luta diária....Géssica Sousa 6ªperiodo

    ResponderExcluir
  8. Hello teacher....estou amando o seu blog.....continue escrevendo e nos motivando com suas palavras....VC É UM REFERENCIAL...DEUS AMA VC...BJOS...DANYELLE AMORIM...6ºPERIODO DE LETRAS NOTURNO!

    ResponderExcluir
  9. Hello dear!

    Só agora li seu post. De fato eu não sabia que você já tivesse passado por tudo isso e entendi porque você me perguntou naquele dia, se eu não sabia ... Mocinha, eu fiquei impressionada com sua força e coragem. Como você conseguiu enfrentar tantos desafios com tanta JUVENTUDE... Ahh!! Eu não sei se eu no seu lugar agüentaria. Mas sei que Deus faz além do q pedimos ou pensamos. Sabia q mesmo sem te conhecer direito, eu gostei de você de graça? Até porque pra gostar das pessoas eu não costumo procurar motivo, pra mim o surgimento da amizade é um fenômeno incrível que começa de um primeiro contato e depois se fortalece e cresce.
    Hoje aumentou algo em mim por você, a minha admiração. Vejo em você um mulher forte que faz jus à sua juventude (I João 2:14b). Só mesmo sendo filha de DEUS pra passar por provas, vencer e manter a beleza, doçura e sensibilidade que você carrega. Parabéns pela vitória do mestrado, contando isso você me deu força pra agir. Obrigada! Deus faz através daqueles que se colocam nas brechas (Ezequiel 22.30). Nos sentimos muito bem em ter você conosco.
    Um forte abraço e bejo... bejo...

    ResponderExcluir

O que você pensa sobre isso? Fala aí...